O movimento Psicodélico e a Astrologia

Sabemos que qualquer tipo de música desperta estados de consciência, que, muitas vezes, estavam adormecidos, aguardando um chamado externo. A música tem esse poder de interferir nos mecanismos do cérebro e que trazem à tona essas manifestações, mas não é somente a música que causa esse efeito, as artes plásticas, a fotografia, a literatura e, em outras manifestações o estado de consciência pode ser alterado.

Surgiu no final da década de 1960 até o início dos anos de 1970 um gênero de música chamada de Psicodélica, ou melhor, Rock Psicodélico, os grupos foram influenciados pela astrologia e culturalmente, em sua grande parte, pelos sons orientais e indianos, o Rock Psicodélico dominou o mundo. Ser psicodélico era estar por dentro, consumir a cultura gerada pelo movimento e participar da contracultura era a palavra de ordem naquele momento.

Grupos como Aphrodite’s Child, The Yardbirds, Beatles, Andrômeda (banda britânica), Deep Purple, Skid Row (banda irlandesa), The Gun, Spirit, The Spiders e mais uma centena de bandas surgiram em todos os países.

A influência astrológica foi marcante no surgimento daquele movimento, pois o planeta começava a adentrar na Era de Aquário, que remete ao futuro, com o domínio da energia atômica, a eletrônica, a aviação e a rede mundial de computadores, que começava a dar seus primeiros passos.

A geração com mais de 50 anos lembra-se da complexidade harmônica das canções, das letras e dos ritmos compostos por aqueles cantores. O Rock Psicodélico antecedeu o movimento denominado progressivo. O primeiro movimento enfraqueceu e começou a acabar com a morte de Jimi Hendrix (1942-1970), e de Janis Joplin (1943-1970), entre outros, que se perderam para as drogas.

As músicas envolventes e as canções com letras que buscavam uma percepção do universo eram fruto do momento astrológico, pelo qual o planeta passava.

O impulso Astrológico no movimento Psicodélico

Em 1960 a geração de jovens, nascida durante e após a Segunda Guerra Mundial, tinha em média 15 anos, a juventude ansiava por ter uma voz mais ativa na sociedade. Os anos 60 trazem um novo impulso para a astrologia em escala mundial, que vão interferir diretamente nos movimentos musicais, especificamente no Rock Psicodélico. O Brasil também não fugia à regra, sob a conjunção de Urano e Plutão em Virgem e tendo como um dos polos mais fortes a recém-fundada Brasília, a astrologia atrai a geração hippie, embalada pelas músicas do movimento psicodélico.

A alteração do arquétipo que acompanha todo o final de Era, fazendo com que o signo de Aquário que passava da Casa XII da Era de Peixes para a Casa I motivo pelo qual começa a tirar definitivamente a astrologia da reclusão das confrarias herméticas e do isolamento da prática individual, para uma difusão em todos os meios socioculturais.

Além da influência astrológica na produção musical começaram a se desenvolver os movimentos naturistas, no Rio Grande do Sul surge a primeira Associação Macrobiótica e a Fundação Editorial e Educacional Universalista. Sob o nome genérico de movimento alternativosurgem lojas e editoras por todo o país.

Podemos afirmar que a Astrologia foi a mais representativa matriz para o movimento musical dos anos 60, pois nunca estamos fora dos padrões de transformação, essencialmente previsíveis, à medida que eles emergem do grande vórtice do universo.

Conforme o homem enfatiza valores espirituais novos ou adicionais (como ele faz no início de cada era zodiacal) as regras mais fracas, do passado, devem ceder o direito de passagem para o futuro. É por isso que o presente é sempre tão difícil para o homem. Ele sabe que deve olhar para frente, para o futuro, e foi isso que aquela geração dos anos 60 fez. Dirce Alves – Jornalista, especialista em Astrologia, Cabala e Numerologia Tel.: (41) 3233-9138

Ler 4255 vezes

Popular